meta name="robots" content="noindex" /> Contraculturalmente: LITERATURA DE CULTO 23: WOODY ALLEN PROSA COMPLETA



LITERATURA DE CULTO 23: WOODY ALLEN PROSA COMPLETA

Gostava de escrever sobre outros géneros literários. Gostava de conseguir escrever sobre o Moby Dick e o Guerra e Paz. Gostava de escrever sobre o Kafka (um dia aventuro-me). Gostava de escrever sobre a gloriosa Laranja Mecânica do Anthony Burgess e de como o livro está a anos-luz do filme (para melhor). Mas o que acontece é que ultimamente só tenho lido livros assumidamente humorísticos, com potencial humorístico mesmo sem o ser (alguém leva a sério o livro do Rambo?), sobre humor e infantis. É o que compro e o que mais prazer me tem dado a ler. Eu, que até sou considerado um tipo com mau feitio. Os meus colegas de trabalho apelidam-me carinhosamente de "besugo trombudo".

Posto isto, e visto que hoje se comemora o Dia Mundial do Livro, este mês levam com um livro de humor escrito por um realizador de cinema, e para o mês que vem levam com um livro infantil. Para não quebrar muito a rotina.

O livro deste mês chama-se Woody Allen Prosa Completa, e foi escrito por Woody Allen, que é o senhor que se encontra na fotografia abaixo:



Woody Allen Prosa Completa reúne num só volume as três colectâneas de humor do afamado músico/cineasta/actor/escritor/dramaturgo: Para Acabar de Vez com a Cultura (Getting Even, de 1971), Sem Penas (Without Feathers de 1975) e Efeitos Secundários (Side Effects, de 1980), num total de 52 histórias curtas, peças de teatro, correspondência fictícia e entradas enciclopédicas fantasiosas.

Impregnada pelo neurótico non-sense que caracteriza Mestre Allen, esta antologia deve ser obrigatoriamente digerida em doses muito pequenas, de modo a se poder apreciar com calma todos os pormenores e devaneios presentes em cada texto.

Destaco, em Para Acabar de Vez Com A Cultura, a peça de teatro A morte chama, em que um senhor engana a morte vencendo-a num jogo de cartas. Em Efeitos Secundários, o destaque vai para O homem mais superficial do Mundo, um relato sobre um indivíduo que evita a todo o custo visitar um seu amigo moribundo no hospital, até ao dia em que o faz e se apaixona por uma enfermeira, passando a visitar o amigo mais por egoísmo do que por compaixão. Em Sem Penas, ressalva para Se os impressionistas tivessem sido dentistas, um troca de correspondência entre o afamado dentista Vincent Van Gogh e o seu irmão e patrocinador Theo.

Deixo-vos com um excerto, também de Sem Penas, de um texto intitulado Fábulas fantásticas e animais míticos:

O grande «roe»

O grande roe é um animal mitológico com cabeça de leão e corpo de leão, mas sem serem do mesmo leão. O roe tem fama de dormir mil anos para depois surgir em chamas, especialmente se estava a fumar ao deitar-se.

Diz-se que Ulisses acordou um roe aos seiscentos anos, mas este mostrou-se apático e mal-humorado, pedindo-lhe que o deixasse ficar na cama mais duzentos anos.

O aparecimento de um roe é geralmente considerado coisa nefasta e costuma anteceder um tempo de miséria ou a notícia de uma festa de sociedade.

Etiquetas: , , , , ,

« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

abril 23, 2007
Blogger belinha relatou...

Olá!!Já tenho 40 votitos!!:-)

Afinal só hoje é que vou ver o 300...depois te direi se gostei ou não!    



abril 24, 2007
Blogger antónio relatou...

Já estive para comprá-lo várias vezes. Dos poucos filmes que consegui ver do Woody gostei e admirei todos, por isso mais cedo ou mais tarde terei obrigatoriamente que ler o livro. Talvez esteja para breve.    



» Enviar um comentário