meta name="robots" content="noindex" /> Contraculturalmente: Abril 2006



OUTROS CULTOS 11: FAMAFEST 2006

sexta-feira, abril 28, 2006
Há cinema para ver já a partir de hoje, em Vila Nova de Famalicão, no FAMAFEST 2006.



Segundo a informação divulgada pelo estimado Papo-Seco na sua Sandes de Atum, este é "o único festival na Europa dedicado ao cinema & literatura. Nesta edição haverá ciclos de Beckett, Harold Pinter, Dickens, Agathe Christie. 36 obras a concurso oriundas de mais de 20 países."

O Festival, organizado pelo estimado cinéfilo Lauro António, ocorre entre o dia 28 de Abril (hoje) e 6 de Maio, na Casa Das Artes e Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, em Famalicão, e no Centro de Estudos Camilianos, em S. Miguel de Seide (fica lá perto). A abertura oficial decorrerá amanhã pelas 21 e 30. Todas as obras a concurso apresentadas são inéditas em Portugal, algumas mesmo fazendo aqui a sua estreia mundial. Pelas sinopses, os filmes que mais me atraem são os seguintes:

Artur Rimbaud, Chipre Posta Restante (França)



Filmado nas Ardenas, Chipre e Alexandria, a costa mediterrânica e os Montes Troodos, este filme recria a viagem de Arthur Rimbaud num momento crucial da sua vida, quando decidiu desistir da literatura para se envolver na sociedade activa e transformar-se numa pessoa mais útil. A banda sonora, constituída pelas cartas que Rimbaud escreveu de Chipre, proporciona ao filme a sua estrutura narrativa. Paisagens do passado e do presente, testemunhos contemporâneos de poetas e dos arquivos históricos franceses e cipriotas, acrescentam elementos valiosos para a análise deste episódio pouco conhecido da vida do autor de “Uma Estação no Inferno” e valoriza o lugar que ele continua a ocupar na imaginação colectiva da ilha.

Cavalgando Dostoyevsky (França)



Para ganhar coragem, um homem que quer pedir um favor a um vizinho sai para fora do seu canto, segura as rédeas nos dentes e lê em voz alta as Notas do Subterrâneo, de Dostoyevsky, em cima de um cavalo, à frente de 1700 agricultores, na feira internacional de agricultura de Paris. Contendo cenas representadas, imagens de espectáculos ao vivo e material documental, este é um filme sobre o lugar do artista na sociedade.

A Cela Branca (Portugal)



Sobre a capacidade dum preso político atingir a liberdade através do pensamento, e da dualidade existentes entre a posição física e intelectual. Aos prisioneiros políticos da ditadura fascista portuguesa (1926-1974).

A Criança Adormecida (Marrocos)



Um dia depois do seu casamento, Zeinab, uma jovem noiva da área rural do nordeste de Marrocos, é abandonada pelo marido quando este se junta aos seus conterrâneos para irem para a Europa, trabalhar na clandestinidade. Zeinab descobre que está grávida. Não querendo que o bebé nasça antes do regresso do marido, ela prolonga a gravidez. O tempo passa. O marido não regressa.


Dom Quixote em Jerusalém
(Israel)



Dom Quixote e Sancho Pança chegam a Israel no ano de 2004. Alcançam uma colina na estrada que circunda Jerusalém e de onde se avista o muro que divide Israel e a Autoridade Palestiniana. Observam o seu alvo. Os dois homens estão já na casa dos setenta. Quixote tem dificuldades em montar a cavalo e Sancho atrapalha-se com as armas. Mas Dom Quixote está decidido a atacar.

Hôtel Oloffson, A Loucura Haîti (França)



Desde há mais de 60 anos, que ninguém vai por acaso ao Oloffson, em Port-au-Prince. O Oloffson continua a atrair ao Haiti artistas apaixonados, jornalistas e intelectuais. Guiados pelo escritor americano Herbert Gold, travamos conhecimento com alguns que, como ele, foram contagiados pela febre haitiana no Hotel Oloffson…

A Maldição dos Hemingways (Alemanha)



Talento, depressão e suicídio estão inexoravelmente ligados à árvore da família Hemingway. “A maldição dos Hemingway” é um olhar aproximado sobre o que significa ser um Hemingway, e quais as consequências desta trágica herança para os filhos e netos de Ernest Hemingway.

Rápido e Maravilhoso (EUA)



Uma odisseia espiritual bizarra e contudo muito empenhada, realizada por quatro missionários católicos que dão assistência a fieis que vivem em lugares onde o perigo e o prazer se cruzam. Palhaços de circo audazes, condutores de carros de corridas e trabalhadores emigrantes na Ilha de Nantucket revelam que mesmo nos encontros mais breves se pode transmitir apoio, esperança e alegria, apesar de todos os contratempos do destino.

Três Casais À Procura de Tempestades (França)



Olivier, Rémi e Pascale, três amigos de longa data, quase quarentões, formam, com as respectivas mulheres e marido, um clã. Mas este grupo vai atravessar a sua primeira crise. Olivier pensa que encontrou o amor da sua vida na pessoa de Stéphanie. Mais nova do que ele, ela restitui-lhe o gosto pela existência que lhe parecia triste e anódina. Pascale, pelo seu lado, faz um balanço da sua vida. Abandona um homem fraco, diplomata fracassado, por um político que soube seduzi-la. Rémi, professor, e Estelle, escultora, vivem um drama quotidiano. Ela não pode ter filhos.

Mas há muito mais para ver (e ouvir). Ciclos sobre Charles Dickens, Agatha Christie, Samuel Beckett, entre outros acontecimentos, surpresas e muita música nacional e internacional. Se puderem, passem por lá. Eventos deste tipo não se dão todos os dias! Cinema, música, literatura num festival! Só falta mesmo a Bd!

Mais informações aqui.

Errata: Papo-Seco não fez parte do juri do Festival, como anteriormente havia sido aqui anunciado. Quem teve esse privilégio foi Maria do Rosário Fardilha, do Divas & Contrabaixos. Um grande pedido de desculpas às 3 pessoas que lêem este blog...

Etiquetas: , , ,

FILME DE CULTO 11: O ÚLTIMO FILME DE TERROR

quinta-feira, abril 27, 2006
Há pouco aconteceu-me uma coisa estranhíssima. Estava eu a ver um filme-pipoca de terror para adolescentes chamado O Último Filme de Terror, quando de repente a imagem ficou desfocada e o filme terminou abruptamente. Subitamente apareceu-me no ecrã da minha televisão um tipo inglês chamado Max Parry, que resolveu gravar um documentário sobre a sua vida por cima da porcaria de filme que eu estava a ver.



Fiquei a saber que o Max é um tipo porreiro e inteligente, que filma casamentos mais como hobby do que como fonte de subsistência. Tive a oportunidade de o ver em almoços e jantares com a família e a socializar com os amigos. Também aprendi a matar, enforcar, mutilar e incendiar seres humanos em grande estilo eliminando qualquer hipótese de ser apanhado, porque este documentário poderia muito bem intitular-se "Como Assassinar Pessoas Aleatoriamente e Continuar a Viver uma Vida Normal".

Max é um Serial Killer frio e metódico. Juntamente com o seu assistente, este senhor rapta pessoas para brincar aos médicos-legistas, rebenta-lhes com os miolos à martelada no meio da rua e chega mesmo a arrombar casas para esfaquear quem quer que esteja lá dentro. Mas nunca deixa de ser uma pessoa encantadora. Como a certa altura do filme comunica, "Alugaste um filme de terror porque querias ver sangue e morte, e eu dou-te sangue e morte". No fundo, quem gosta de filmes de terror é um voyeur que se delicia com a desgraça alheia, e nesse sentido, Max Parry entretém-nos plenamente com a sua crueldade.



O Último Filme de Terror revelou-se uma proposta completamente original e inesperada, filme fortíssimo pleno de humor negro e crueldade, que nos faz rir e meditar sobre a fragilidade da vida humana. Um relato verdadeiramente fascinante sobre a mente de um assassino em série, que nos agarra desde o primeiro ao último segundo. Procurem-no nas lojas do Público, incluído na Série Fantas.



Trailer:

Etiquetas: , ,

MÚSICA DE CULTO 11: FIONA APPLE

domingo, abril 23, 2006
Fiona Apple é uma cantora/pianista Norte-Americana com um culto considerável à sua volta. As suas composições estão incluidas no universo do Jazz, passando pela Pop e Blues, criando um produto de música alternativa verdadeiramente original.



O seu início de carreira deu-se em 1996 com Tidal. Apple, na altura com 18 anos, espantava o mundo com as suas músicas melodiosas e a forte componente sexual do videoclip para Criminal, o que lhe valeu o reconhecimento instantâneo da indústria discográfica sob a forma de Grammy, rotulando-a de Next Big Thing. Seguiu-se When The Pawn em 1999, fortemente atacado pela crítica especializada por ser completamente o oposto daquilo que seria esperado de Fiona.

Abandonada e prestes a cair no esquecimento, Fiona Apple passou por tempos difíceis para conseguir editar o seu mais recente Extraordinary Machine. Produzido em 2002, a Sony decidiu que este não possuia qualidade suficiente para ser editado e resolveu guardá-lo na prateleira, o que levou a uma desmoralização e final de carreira abrupto por parte da autora. Porém, hoje em dia temos uma coisinha chamada internet. Alguém conseguiu o album e colocou-o online, o que levou a que milhares de pessoas fizessem o download do mesmo, levando a Sony a pensar se a sua acção teria sido a mais acertada. Tudo culminou com os escritórios da empresa discográfica a serem inundados de maçãs vindas de todo o mundo por parte dos admiradores de Fiona. Extraordinary Machine acabou por ser refeito e editado no final do ano passado, e, surpresa (ou não), revelou-se um excelente disco e um grande regresso de Fiona Apple.

Mas este mês, sugiro When the Pawn Hits the Conflicts He Thinks Like a King What He Knows Throws the Blows When He Goes to the Fight And He'll Win the Whole Thing 'Fore He Enters the Ring There's No Body To Batter When Your Mind is Your Might So When You Go Solo, You Hold Your Own Hand And Remember That Depth is the Greatest of Heights And If You Know Where You Stand, Then You Know Where to Land And If You Fall It Won't Matter, Cuz You'll Know That You're Right.




When The Pawn é sem sombra de dúvida, o meu disco preferido de Fiona Apple. O difícil segundo album marca um corte radical entre a candura do seu album de estreia, levando e elevando o seu piano por territórios alternativos e inexplorados, numa Pop jazzística com algum Trip-Hop pelo meio e muita maturidade, o que destruiu a reputação e o "promissor" futuro como princesinha Pop de Fiona, fazendo com que muitos dos seus antigos fãs adeptos da sua faceta baladeira a abandonassem, ao mesmo tempo que fortaleceu a sua base de adeptos fiéis. Este é o album mais injustamente esquecido de que tenho conhecimento. Liricamente assombroso, musicalmente complexo, algo agressivo, muito, muito sexy! Para ouvir em repetição contínua! Destaques:

1- On The Bound
2- To Your Love
3- Limp
4- Love Ridden
5- Paper Bag
6- A Mistake
7- Fast As You Can
8- The Way Things Are
9- Get Gone
10 - I Know

Como curiosidade, When The Pawn possui o record do Guinness de Album com o Maior Título.

Video: Paper Bag

Etiquetas: , , ,

BD DE CULTO 11: THE GOON

segunda-feira, abril 17, 2006
Gangsters sisudos, Zombies imortais, macacos, gorilas e outros que tais. The Goon.



The Goon, a obra maior de Eric Powell, é um dos mais refrescantes comics da Dark Horse, tendo coleccionado já imensos prémios, incluindo Melhor Narrativa Ilustrada no International Horror Guild Awards de 2004.

Colorido e ultra-ritmado, The Goon narra a história de um suposto capanga dum Gangster chamado Labrazio, numa cidade plena de zombies, vampiros, lobisomens e outros seres sobrenaturais. Um monstro musculado, de aspecto simiesco, cego de um olho e desfigurado, The Goon mal sabe falar e aparenta possuir o QI de um recém-nascido. Não será bem o tipo de herói a que nos habituaram as grandes casas de banda desenhada, e esse é o trunfo principal da série (mas não será o único). Do lado contrário da barricada temos o Feiticeiro Sem Nome, que insiste e criar hordas de mortos vivos para aterrorizar a cidade, o que garante emprego constante ao nosso anti-herói.

A estética e o sentimento transmitido por este comic são de film-noir com cedências à vida moderna. The Goon e o seu parceiro Franky rebentam cabeças de mortos vivos com tacos de basebol e vendem protecção a taberneiros e vendedores de gelados tal como nos loucos anos 30 (o meu avô conta-me que um zombie roubou-lhe todas as couves da sua horta em mil-nove e trinta e cinco), mas no entanto não abdicam de encomendar pizza às Sextas nem de retalhar um gigantesco pirata-choco com uma motoserra, por exemplo.

O exagero e a estranheza das personagens elevam The Goon ao estatuto de meu comic preferido do momento. Um anão com uma bola de bowling presa na mão não é bem o vilão que inspira medo, mas sim compaixão (credo, tanta aliteração). O humor é negro e non-sense, mas estranhamente, tudo faz sentido na obra de Powell.

Para os curiosos, existe o primeiro TPB à venda por aí, intitulado The Goon Rough Stuff (comprei o meu na Ghoul Gear, Travessa da Trindade 30, Faro.) A Shop Suey Comics volta e meia oferece um comic do The Goon por compra, portanto se forem clientes, peçam-no na vossa próxima visita.

Etiquetas: , ,

LITERATURA DE CULTO 11: PORNO

terça-feira, abril 04, 2006
No seguimento do post sobre o Trainspotting, o Literatura de Culto deste mês debruça-se sobre algo de que toda a gente gosta mas nem todos o admitem, Porno...

Porno é o sétimo romance de Irvine Welsh, escritor Escocês obcecado por drogas duras e cultura Pop. Este romance é simultaneamente a sequela literária de Trainspotting, e a sua acção decorre 10 anos após as primeiras aventuras. Desta feita, o sexo é a droga que vem substituir a heroína como força motriz.

Porno é um livro direccionado apenas a quem leu/viu Trainspotting, pois voltamos a encontrar o mesmo grupo de indigentes que aprendemos a amar e mais alguns de outra obra de Welsh, intitulada Cola. Após a sua famosa fuga no final do primeiro livro, Mark Renton torna-se num infeliz proprietário de uma discoteca em Amesterdão. Begbie está obviamente na cadeia, recebendo todos os meses um pacote de revistas pornográficas gay sem conhecer o seu remetente. Spud (ou Batata) continua um pobre coitado agarrado ao cavalo, imaginando formas de salvar a sua mulher e filho da miséria, seja na vã tentativa de escrever um livro sobre a sua terra natal, seja por tentar que o assassinem de modo a que a sua família receba uma compensação pela perda.

Sick Boy, esse, toma o papel central no palco deste livro. Proprietário de um Pub Escocês, sonha com grandezas que tardam a chegar e deseja vingar-se de Renton com todas as suas forças. Um dia, um dos amigos do seu grupo de coquinados aparece no Bar com ideias de filmar um filme pornográfico na arrecadação do mesmo. A estrelinha da sorte brilha com mais vigor sobre Sick Boy! Entretanto Begbie é solto, e juntamente com o seu amigo pornógrafo, descobre Renton na Holanda. Mark borra-se de medo de Begbie, e para evitar ser descoberto por ele aceita financiar o filme pornográfico de Sick Boy. O plano de vingança é posto em prática.

Apesar de divertido e muito mais light do que a obra anterior, Porno acaba por revelar-se mais do mesmo. Algumas situações são apenas reciclagens doutras vividas 10 anos antes, e as personagens não mudaram um bocadinho. Sick Boy continua maquiavélico, Begbie não amoleceu um grama, Renton mantém-se falso e Spud é a personificação perfeita do agarrado. Ainda assim, é óptimo voltar a encontrar estas personagens e saber o que têm feito desde que largaram a heroína (quase todos, pronto).

Porno será adaptado ao cinema um dia, quando os actores de Trainspotting tiverem envelhecido o suficiente. Enquanto isso não acontece, o livro anda por aí e não é nada difícil dar com ele.

Etiquetas: , ,

As previsões de Maria Graciette

sábado, abril 01, 2006


  • Irá haver um atentado na Ponte 25 de Abril
  • Morrerá uma grande figura da cena internacional este ano
  • Pedro Santana Lopes será apanhado num grande escândalo com contornos homosexuais
  • A canção "Zumba Zumba" será o grande hit deste Verão
  • Haverá uma mudança radical no template deste blog lá mais para o final da semana!

Etiquetas: