meta name="robots" content="noindex" /> Contraculturalmente: MÚSICA DE CULTO 3: BADLY DRAWN BOY



MÚSICA DE CULTO 3: BADLY DRAWN BOY

Agosto. Sensivelmente há 2 anos atrás. Sempre tive uma grande vontade de conhecer o Festival Sudoeste. Nunca lá tinha ido. Por desinteresse pelo cartaz, ou por não encontrar companhia para ir comigo. Em 2003, fartei-me dessa situação e fui para a Zambujeira do Mar. Sozinho. Duas T-Shirts, um frasco de repelente de mosquitos, alguma roupa interior e um saco cama. E até hoje não me arrependo. Fazia o que queria, encontrava pessoal amigo e conhecido, construía amizades com a consistência de um castelo de areia, via os concertos que queria, participava nos workshops, dormia ao relento e era feliz.

Se tivesse ido a este Festival com mais malta, provavelmente não via nem metade dos concertos que vi. Por exemplo, com companhia, se calhar entretinha-me na tenda a beber e a fumar substâncias ilícitas e acabaria por perder o magnífico concerto do Badly Drawn Boy...



Ao todo deviam estar umas 200 pessoas nesse concerto. Lembro-me que todos olhavam cumplices uns para os outros com um sorriso nos lábios. "Este é o nosso momento..." Badly Drawn Boy, sozinho com a sua guitarra e o seu piano. Lembro-me da sua simpatia. Lembro-me de me apaixonar pelas suas músicas, apesar de não conhecer nem uma. Lembro-me da invasão de palco por parte dos roadies e amigos, e de um deles ter sido literalmente expulso a pontapé passados largos minutos do concerto ter terminado. Lembro-me do Badly Drawn Boy cantar, na música Once Around The Block "Take a left, a sharp left and another left... Meet me on the corner, we'll start again..." enquanto o sol se punha. Lembro-me perfeitamente da felicidade que sentia naquele momento e de lacrimejar... Lembro-me que este foi o melhor concerto da minha vida!

O Badly Drawn Boy em disco não é tão bom como o Badly Drawn Boy ao vivo, não querendo isto dizer que seja mau. Os seus discos são realmente excelentes, mas acabam por ser um pouco homogéneos. São predominantemente acústicos, com algumas incursões experimentais pelo meio. Destacar um dos seus trabalhos revela-se difícil. Ainda assim, arrisco em sugerir About A Boy.



About A Boy é simultaneamente um Album e uma banda sonora para o filme com o mesmo nome (bastante bom, por sinal). Todas as canções cantadas por este senhor estão divididas por deliciosos interlúdios instrumentais. Destaco Silent Sight, Donna And Blitzen (que podia ser perfeitamente uma canção de Natal) e Above You, Below Me.

Este album, bem como os restantes 3, estão disponíveis na Fnac. Não têm de quê...

Video: Silent Sight

Etiquetas: , , , ,

« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

agosto 10, 2005
Blogger emprenha_vacas relatou...

ah então eras tu que estavas a chorar que nem uma madalena perdida enquanto levavas pontapés na cabeça do Badly Drawn Boy? por acaso já não o oiço há algum tempo...
nada que um saltinho ao soulseek não resolva :)    



setembro 13, 2005
Blogger não! eu é que sou fã do Cid relatou...

melhor, melhor é o "Have You Fed The Fish?" de um cidamigo    



setembro 13, 2005
Blogger Carca relatou...

Julgava que um verdadeiro fã de José Cid só ouvisse as obras completas do mestre... Ainda bem que me enganei. E sim, "Have You Fed The Fish?" é um grande album, mas também o é o "The Hour of The Bewilder Beast", e ambos são muito similares... Optei pelo "About A Boy" por se destacar pela diferença.    



» Enviar um comentário